quinta-feira, 28 de novembro de 2013

A vida é poesia



A vida é poesia 
rimada, diversificada, 
repleta de reticências,
vírgulas e interrogações.
Carregada de emoções intensas 
e amores mal resolvidos.

É multidão de palavras 
embaralhadas, embaçadas, 
desbotadas pelo muito falar 
"ressoadas" como ecos ocos, tolos, sós!

Poesia sem métrica, confusa, difusa,
de instantes felizes aleatórios
de prazeres ínfimos e furtivos.
de sonoridade metálica,
de cores e sombras
ventos e tempestades.

De autores loucos, perdidos, 
apaixonados.
Sem direção certa e de coração 
crédulo.

Que os ventos da poesia 
me levem na força de suas letras,
e na graça de suas rimas
me conduzam ao paraíso!

Val Zamp Dantas - 27-11-13


segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Clarão da lua


No clarão da lua te vejo inteiro
sem meias palavras, sem desassossego.
Sem saída, sem começo.

No clarão da lua te enxergo por dentro
Com seus medos e intenções de acerto.
Sem reservas, sem lamentos.

No clarão da lua te sinto verdadeiro
sem disfarces, sem bloqueios
sem metades, sem receio...


Um clarão revelador de sonhos e loucura.
Só você e a luz da lua.
Só um momento, nada mais!


Val Zamp Dantas - 23/08/13


domingo, 31 de março de 2013

Desilusão



Desilusão


Te busquei em ventos que passaram,
na velocidade do tempo, não te achei.
Revirei lembranças, promessas,certezas
e com tristeza constatei sua partida
definitiva, doída, sentida...

Por que não levou de uma vez
os fragmentos que ficaram me
impregnando a alma?
Devia ter partido contigo também
a saudade, e essa terrível vontade de sonhar.

Não sonho mais! Não quero apenas a ilusão do
paraíso. Preciso da paz real que ele pode dar!
Te envio o que ficou para trás:
um tremendo vazio gelado, pedaços de 
abraços encantados e restos de alegria pelo chão.

Val Zamp Dantas

31-03-13


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013




Mudar

Sinto que preciso mudar
colorir o preto e branco do passado
Alvejar o que ficou enegrecido na memória,
Varrer o pó das lembranças antigas
perfumar o ar embolorado que o coração abrigou.

Jogar fora de vez o que o tempo amarelou!
Abrir as janelas dos olhos e da alma
e deixar os raios de sol iluminarem a vida,
e o que ainda resta da essência de mim!

Penso que o momento é agora 
e que a limpeza interior é sempre bem-vinda,
bem chegada, benquista!
Sei que Quem me sustenta me ama;
e se Ele me ama, limpará dos meus olhos a lágrima
e como renovo, me fará brotar outra vez!

Val Zamp Dantas
  14-02-13

video

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Cores da alma




Cores da alma

Olho através das cores de sua alma
elas dizem tudo a seu respeito
Como pétalas, caem uma a uma
e deixam muito de você à mostra.

O riso nervoso se disfarça
em perguntas e frases soltas.
O fôlego ansioso quase entrega
aquilo que o pensamento desenha,
ditado pelo coração.

São cores claras em tons de abraço.
Matizes fortes, em tons de amor.
E na ciranda colorida dos meus olhos,
dos teus olhos,
passeia um mundo de sensações
que invadem o imaginário
de quem vive sonhando acordado
assim...feito eu!

Val Zamp Dantas
10-08-10